Logomarca da Unilab
Ementas: optativas de estudos linguísticos

Análise do Discurso (60 horas. Pré-requisitos: Enunciação, discurso e texto)

Ementa: Apreensão de noções fundamentais da Análise do Discurso de linha francesa e da Análise Crítica do Discurso e reconhecimento de seus pressupostos metodológicos.

Bibliografia básica

  • ADAM, J. M.; HEIDMANN, U.; MAINGUENEAU, D. Análises Textuais e discursivas. São Paulo: Cortez, 2010.
  • DIJK, T. A. Discurso e poder. São Paulo: Contexto, 2008.
  • MAINGUENEAU, D. Novas tendências em Análise do Discurso. 3. ed. Campinas: EDUNICAMP / Pontes, 1997.
  • MUSSALIM, F. Análise do Discurso. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (Org.). Introdução à Linguística: domínios e fronteiras, v. 2. São Paulo: Cortez, 2001, p. 101- 142.
  • ORLANDI, E. P. Análise de Discurso: Princípios e Procedimentos. Campinas: Pontes, 2009.

Bibliografia complementar

  • BRANDÃO, H. H. N. Introdução à Análise do Discurso. Campinas: Editora Unicamp, 2012.
  • FIORIN, J. L. Elementos de Análise do Discurso. 13. Ed. São Paulo : Contexto, 2005.
  • MAINGUENEAU, D. Discurso e análise de discurso. São Paulo: Parábola, 2015.
  • POSSENTI, S. Teoria do discurso: um caso de múltiplas rupturas. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (Org.). Introdução à Linguística. v. 3: fundamentos epistemológicos. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2005, p. 353-392.
  • RESENDE, V. M.; RAMALHO, V. Análise de Discurso Crítica. São Paulo: Contexto, 2006.

Bibliografia suplementar

  • BÁRBARA, L.; MACÊDO, C. M. M. de. Lingüística Sistêmico-Funcional para a Análise de Discurso: um panorama introdutório. Cadernos de linguagem e sociedade, Brasília, ano 10, n. 1, p. 89-107, 2009.
  • MEURER, J. L. Ampliando a noção de texto e contexto. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 4, n. esp., p. 133-157, 2004.

 

Argumentação: teoria e prática (60 horas. Pré-requisitos: não há)

Ementa: Breve panorama histórico da retórica. A nova retórica. Técnicas de manipulação e de argumentação. A tópica (lugares argumentativos). Éthos, páthos e lógos. Argumentação e conflito. A argumentação na produção de textos acadêmicos.

Bibliografia básica

  • ARISTÓTELES. Retórica. São Paulo: Edipro, 2011.
  • FERREIRA, L. A. Leitura e persuasão: princípios de análise retórica. São Paulo: Contexto, 2015.
  • FIORIN, J. L. Argumentação. São Paulo: Editora Contexto, 2015.
  • KOCH, I. V.; ELIAS, V. M. Escrever e argumentar. São Paulo: Editora Contexto, 2016.
  • PERELMAN, C; OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da Argumentação: a nova retórica. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

Bibliografia complementar

  • AMOSSY, R. (org.). Imagens de si no discurso: a construção do éthos. São Paulo:
  • ANGENOT, M. O discurso social e as retóricas da incompreensão: consensos e conflitos na arte de (não) persuadir. São Carlos: Edufscar, 2015.
  • FIORIN, José Luiz. Figuras de retórica. São Paulo: Contexto, 2013.
  • KOCH, I. V. Argumentação e linguagem. São Paulo: Contexto, 2002.
  • PLANTIN, C. A argumentação: história, teorias, perspectivas. São Paulo: Parábola, 2014.

 

Filologia Românica (60 horas. Pré-requisitos: Latim I e História da Língua Portuguesa I)

Ementa: Filologia e linguística. Surgimento da filologia românica. Latim vulgar e latim cristão. Romanização. Influências de substrato e de superestrato. Fragmentação da România. Formação e classificação das línguas românicas.

Bibliografia básica

  • ALVES, I. M.; PEREIRA, E. S. (orgs.) Neologia das línguas românicas. São Paulo: Humanitas/FFLCH, 2015.
  • BASSETTO, B. Elementos de Filologia Românica. São Paulo: EDUSP, 2001.
  • COUTINHO, I. de L. Gramática Histórica. Rio de Janeiro: Imperial Novo Milênio, 2011.
  • ELIA, S. E. Preparação à Lingüística Românica. Rio de Janeiro: Imperial Novo Milênio, 2016.
  • TELLES, C. M.; SANTOS, R. B. (orgs.) Filologia, críticas e processos de criação. Curitiba: Appris, 2012.

Bibliografia complementar

  • BASSO, R. M.; GONÇALVES, R. T. História concisa da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes, 2014.
  • FARACO, C. A. Linguística Histórica: uma introdução ao estudo da história das línguas. São Paulo: Parábola, 2005.
  • HIGOUNET, C. História concisa da escrita. 2. Ed. São Paulo: Parábola, 2004.
  • IORDAN, I.; MANOLIU, M. Manual de Lingüística Românica. 2 vols. Madrid: Gredos, 2000.
  • MATTOS E SILVA, R. V. O português arcaico: fonologia, morfologia e sintaxe. São Paulo: Contexto: 2006.

 

Filosofia da Linguagem (60 horas. Pré-requisitos: não há)

Ementa: A filosofia da linguagem vista como teoria da significação. Estudo do percurso histórico de tratamento das questões de linguagem à luz da Filosofia. Reconhecimento das características dos três paradigmas: realismo, mentalismo e pragmatismo. Reflexão sobre a virada pragmática nos estudos filosóficos a partir dos teóricos do século XX.

Bibliografia básica

  • BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 16. ed. São Paulo: Hucitec, 2009.
  • CHOMSKY, N. Reflexões sobre a linguagem. 1. ed. São Paulo: Cultrix, 2009.
  • MARTINS, H. Três caminhos na Filosofia da Linguagem. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (Org.). Introdução à Linguística: fundamentos epistemológicos. Vol. 3, 2. ed. São Paulo: Cortez, 2005, p. 439-473.
  • MEDINA, J. Linguagem: conceitos-chave em filosofia. Porto Alegre: Artmed, 2007.
  • MILLER, A. Filosofia da linguagem. Trad. de Evandro Luiz Gomes, Christian Marcel de Amorim e Perret Gentil Dit Maillard. São Paulo: Paulus, 2010.

Bibliografia complementar

  • BUNNIN, N.; TSU-JAMES, E.P. (Org.). Compêndio de Filosofia. São Paulo: Edições Loyola, 2008.
  • COSTA, C. F. Filosofia da linguagem. Vol. 5.Rio de Janeiro: Zahar, 2002.
  • MARCONDES, Danilo. A pragmática na filosofia contemporânea. 1. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.
  • VYGOTSKY, Lev S. Pensamento e linguagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.
  • WITTGENSTEIN, L. Investigações filosóficas. Trad. Marcos G Montagnoli. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

 

Fonética acústica (60 horas. Pré-requisitos: Fonética e Fonologia da língua portuguesa)

Ementa:  Introdução à fonética acústica. Teoria fonte-filtro da produção da fala. Propriedades acústicas das vogais e consoantes do português e sua relação com a articulação. Aspectos da prosódia da fala (entoação, acento, ritmo). Estudo a partir de dados de distintas variedades do português e aplicação dos estudos acústicos da fala.

Bibliografia básica

  • BARBOSA, P.; MADUREIRA, S. Manual de fonética acústica experimental: Aplicação a dados do português. São Paulo: Cortez, 2015.
  • JOHNSON, K. Acoustic and auditory phonetics. Oxford: Blackwell Publishing, 2003.
  • KENT, R. D.; READ, C. The acoustic analysis of speech. Madison: Singular/Thomson Learning, 2002.
  • LADEFOGED, P.; JOHSON, K. A course in Phonetics. 6. ed. Wandsworth: Cengage Learning, 2011.
  • SILVA, T. C. Fonética e fonologia do Português. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2007.

Bibliografia complementar

  • CAGLIARI, L. C. Elementos de fonética do português brasileiro. São Paulo: Paulistana, 2007.
  • CALLOU, D.; LEITE, Y. Iniciação à Fonética e à Fonologia. 3. ed. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 2013.
  • HARDCASTLE, W. J.; LAVER, J.; GIBBON, F. E. The handbook of phonetic sciences. Oxford: John Wiley & Sons, 2010.
  • MAGALHÃES, M.; LIMA, A. Noções de probabilidade e estatística. 7. ed. Revisada. São Paulo: EDUSP- Editora da Universidade de São Paulo.
  • STEVENS, Kenneth N. Acoustic phonetics. 1. ed. Massachussetts: MIT Press, 2000.

Bibliografia suplementar

 

Grego bíblico I (60 horas. Pré-requisitos: não há)

Ementa: Características do grego bíblico koin. O alfabeto; noções de fonética. Flexão nominal: as declinações. Preposições; conjunções; advérbios. Introdução ao estudo dos verbos: presente do indicativo ativo e verbo eimi. Aproximações contrastivas com o português do Brasil.

Bibliografia básica

  • MACHEN, J. G. Grego do Novo Testamento para iniciantes. São Paulo, Hagnos, 2011.
  • RUSCONI, C. Dicionário do grego do Novo Testamento. São Paulo: Paulus, 2003.

Bibliografia complementar

  • LOW, J.; NIDA, E. Léxico grego-português do Novo Testamento: baseado em domínios semânticos. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2014.
  • MURACHCO, H. Língua Grega: visão semântica, lógica, orgânica e funcional. São Paulo: Vozes e Discurso Editorial, 2001 (2 volumes).
  • SOARES, E. Gramática prática de grego. São Paulo: Hagnos, 2011.
  • NOVO TESTAMENTO GREGO INTERLINEAR. Tradução de Vilson Scholz. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2014.
  • SWETNAM, J. Gramática do grego do Novo Testamento. São Paulo, Paulus, 2002.

 

Grego bíblico II (60 horas. Pré-requisitos: Grego bíblico I)

Ementa: Continuação do estudo de morfologia nominal: o particípio (presente, passado e futuro). Morfologia verbal: modo, tempo, voz, aspecto. Verbos depoentes. Conjugação em –o (-w) e conjugação em -mi (-mi). Aproximações contrastivas com o português do Brasil.

Bibliografia básica

  • ORTIZ, Pedro. Dicionário do grego do Novo Testamento. São Paulo: São Paulo: Loyola, 2009.
  • SWETNAM, James. Gramática do grego do Novo Testamento. São Paulo, Paulus, 2002.

Bibliografia complementar

  • LOW, J.; NIDA, E. Léxico grego-português do Novo Testamento: baseado em domínios semânticos. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2014.
  • NOVO TESTAMENTO GREGO INTERLINEAR. Tradução de Vilson Scholz. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2008
  • O NOVO TESTAMENTO GREGO. 4. Ed. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 1993.
  • REGA, L.S. & BERGMANN, J. Noções de grego bíblico: gramática fundamental. São Paulo: Ed. Vida Nova, 2004.
  • SOARES, Esequias. Gramática prática de grego. São Paulo: Hagnos, 2011.

 

Grego bíblico III (60 horas. Pré-requisitos: Grego bíblico II)

Ementa: Particularidades sintáticas. Tradução de textos originais representativos das variedades presentes no NT (gênero literário e tipo de texto). Limites e possibilidades da tradução. Comparação de traduções. Variantes textuais.

Bibliografia básica

  • MOUNCE, W. D. Léxico analítico do Novo Testamento grego. São Paulo: Vida Nova,
  • SOARES, Esequias. Gramática prática de grego. São Paulo: Hagnos, 2011.

Bibliografia complementar

  • LOW, J.; NIDA, E. Léxico grego-português do Novo Testamento: baseadp em domínios semânticos. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2014.
  • NOVO TESTAMENTO GREGO INTERLINEAR. Tradução de Vilson Scholz. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2008
  • O NOVO TESTAMENTO GREGO. 4. Ed. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 1993.
  • ORTIZ, Pedro. Dicionário do grego do Novo Testamento. São Paulo: São Paulo: Loyola, 2009.
  • SWETNAM, James. Gramática do grego do Novo Testamento. São Paulo, Paulus, 2002.

 

História da língua portuguesa II (60 horas. Pré-requisitos: História da língua portuguesa I)

Ementa: A construção do conceito de língua portuguesa frente ao espaço românico e ao espaço ibérico nos textos dos séculos XVI a XIX; a construção do conceito de português brasileiro nos textos do século XX; a história do português nos espaços lusófonos em geral, e nos países africanos em particular.

Bibliografia básica

  • FIORIN, J. L.; PETTER, M. África no Brasil: a formação da língua portuguesa. São Paulo: Contexto, 2008.
  • ILARI, R.; BASSO, R. O português da gente. São Paulo: Contexto, 2006.
  • LUCCHESI, D. Língua e sociedade partidas. São Paulo: Contexto, 2015.
  • MATTOS E SILVA, R. V. Caminhos da linguística histórica: ouvir o inaudível. São Paulo: Parábola, 2008.
  • MOITA LOPES, L. P. Português no século XXI: cenário geopolítico e sociolinguístico. São Paulo: Parábola, 2013.

Bibliografia complementar

  • ALVAREZ, M. L. O.; GONÇALVES, L. (orgs.) O Mundo do Português e o Português no Mundo afora: especificidades, implicações e ações. Campinas: Pontes, 2016.
  • BASTOS, N. B. (org.) Língua portuguesa e lusofonia: história, cultura e sociedade. São Paulo: EDUC, 2016.
  • FARACO, C. A. História sociopolítica da língua portuguesa. São Paulo: Parábola, 2016.
  • NARO, A. J.; SCHERRE, M. M. P. Origens do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2007.
  • WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. I. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. São Paulo: Parábola, 2012.

 

Introdução às línguas indígenas brasileiras (60 horas; Pré-requisitos: Sociolinguística)

Ementa: O conhecimento sobre as línguas indígenas brasileiras: evolução histórica. Classificação: fontes de conhecimento e pesquisas em curso. Características gerais sobre os principais troncos linguísticos: Tupi, Karib e Macro-Jê. Relações com topônimos nacionais.

Bibliografia básica

  • AMADO, R. S. (org.) Estudos sobre línguas e culturas macro-jê. São Paulo: Paulistana, 2010.
  • FERREIRA, M. R. (org.) Tradições orais de línguas indígenas. Campinas: Pontes, 2015.
  • FREIRE, J. B. Línguas gerais. In: Política lingüística e catequese na América do Sul no período colonial. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2003.
  • FREIRE, J. B. Rio Babel: a história das línguas na Amazônia. Rio de Janeiro: Atlântica / Eduerj, 2004.
  • RODRIGUES, A. D. & CABRAL, A. S. (orgs.) Línguas e culturas tupi. Campinas: Ed. Curt Nimuendajú, 2007.

Bibliografia complementar

  • NAVARRO, E. de A. Método moderno de tupi antigo. Petrópolis: Vozes, 1996.
  • NOLL, V.; WOLF, D. (org.) O português e o tupi no Brasil. São Paulo: Contexto, 2010.

Bibliografia suplementar

  • ALFARO, Consuelo. As políticas lingüísticas e as línguas ameríndias. LIAMES – Línguas Indígenas Americanas 1, p. 31-41, 2001.
  • CABRAL, A. S. A. C. et al. A linguística histórica das línguas indígenas do Brasil, por Aryon Dall’Igna Rodrigues: perspectivas, modelos teóricos e achados. D.E.L.T.A. 30 especial, 513-542, 2014.

 

Introdução à Linguística Africana (60 horas. Pré-requisitos: Fonética e Fonologia da língua portuguesa e Morfologia da língua portuguesa)

Ementa: Revisão histórica dos estudos iniciais sobre as línguas africanas. A classificação das línguas da África. Níveis de descrição e análise: aspectos fonológicos, morfológicos, sintáticos e semânticos. A contribuição da Linguística Africana para os estudos da Linguística Geral. As línguas em contexto africano: funções, planejamento linguístico, línguas minoritárias e contato. As línguas africanas no Brasil

Bibliografia básica

  • BONVINI, E. Línguas africanas e português falado no Brasil. In: FIORIN, J. L.; PETTER, M. M. T. (orgs). África no Brasil: formação da língua portuguesa. São Paulo: Contexto, 2008, p. 15-62.
  • HEINE, B.; NURSE, D. African languages: an introduction. Cambridge Print-On: Cambridge, 2000.
  • NURSE, D; PHILIPPSON, G(Ed.). The Bantu languages. Londres: Nova Iorque: Routledge, 2003.
  • PARKVALL, M. Da África para o Atlântico. Campinas: Editora da Unicamp, 2012.
  • PETTER, M. (org.). Introdução à Linguística Africana. São Paulo: Contexto, 2015.

Bibliografia complementar

  • CASTRO, Y. P. Falares africanos na Bahia: um vocabulário afro-brasileiro. 2ed, Rio de Janeiro: Topbooks, 2001.
  • HEINE, B.; NURSE, D. A linguistic geography of Africa. Cambdrige Print-On: Cambridge, 2010.
  • LADEFOGED, P. Phonetic study of west african languages. Cambridge Print-On: Cambridge, 2009.
  • OLDEROGGE, D. A. Migrações e diferenciações étnicas e linguísticas. In: KI-ZERBO, J. (org.). História geral da África – Metodologia e pré-história da África. Brasília: UNESCO, 2010, v. 1, p. 295-316.
  • ROSA, M.C. Uma língua africana no Brasil. Rio de Janeiro: Sete Letras, 2013.

Bibliografia suplementar

 

Latim II (60 horas. Pré-requisitos: Introdução ao Latim I)

Ementa: Estudo da língua latina por meio da leitura e tradução de textos básicos. Questões de morfossintaxe: nomes de tema em –i e consoante; pronomes (anafórico, demonstrativo, de identidade, de reforço e interrogativo); advérbios; graus dos adjetivos. O sistema verbal: vozes passiva e depoente, os modos subjuntivo e imperativo.

Bibliografia básica

  • PIMENTEL, M. C.; PENA; A. N. Latim: Textos (Iniciação). Lisboa: Colibri, 1994.
  • RESENDE, A. M. de. Latina essentia: Preparação ao Latim. 5. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

Bibliografia complementar

  • MOITINHA, M. Gramática Latina. Curitiba: Prismas, 2014.
  • SILVA, A. C.; MONTAGNER, A. C. Dicionário Latino-português. Petrópolis: Vozes, 2009.

 

Latim III (60 horas. Pré-requisitos: Introdução ao Latim I e Introdução ao Latim II)

Ementa: Estudo da língua latina por meio da leitura e tradução de textos básicos, com ênfase em aspectos culturais. Estudo de tópicos gramaticais aí suscitados, tais como: Usos especiais dos casos dativo, genitivo e ablativo; Adjetivos da segunda classe; Pronomes pessoais; Numerais cardinais; Oração infinitiva.

Bibliografia básica

  • RÓNAI, P. Curso básico de Latim: Gradus Secundus. São Paulo: Cultrix, 1993.
  • MOITINHA, M. Gramática Latina. Curitiba: Prismas, 2014.

Bibliografia complementar

  • PRATA, P. & FORTES, F. (orgs.) O Latim Hoje: Reflexões sobre cultura clássica e ensino. Campinas: Mercado de Letras, 2015.
  • SILVA, A. C.; MONTAGNER, A. C. Dicionário Latino-português. Petrópolis: Vozes, 2009.

 

Lexicologia e lexicografia (60 horas. Pré-requisitos: Morfologia do Português e Sociolinguística)

Ementa: A unidade léxica e a estruturação do léxico. Lexias simples e complexas. Neologismo. Relações entre a Lexicologia e a Lexicografia. Tipologia das obras lexicográficas. Macroestrutura e microestrutura dos dicionários. Os dicionários e suas funções.

Bibliografia básica

  • BORBA, F. da S. Organização de dicionários. São Paulo. Ed. UNESP, 2003.
  • ILARI, R. Introdução ao estudo do léxico: brincando com as palavras. São Paulo: Contexto, 2002.
  • KRIEGER, M. da G. O dicionário em sala de aula: guia de estudos e exercícios. São Paulo: Lexikon, 2012.
  • NUNES, J. H. Dicionários no Brasil: análise e história do século XVI ao XIX. Campinas, Pontes, 2006.
  • RECTOR, M. A fala dos jovens. Petrópolis: Vozes, 1994.

Bibliografia complementar

  • CORREIA, M.; LEMOS, L. Inovação Lexical em Português. Lisboa: Colibri, 2005.
  • GUIMARÃES, E. & ZOPPI-FONTANA, M. (orgs.). A palavra e a frase. Campinas: Pontes, 2006.
  • SARAIVA, G. A gíria brasileira: dos marginais às classes de elite. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 1988.
  • VILLALVA, A. & SILVESTRE, J. P. Introdução ao estudo do léxico: Descrição e análise do português. Petrópolis: Vozes, 2014.
  • XATARA, C.; BEVILACQUA, C. R.; HUMBLÉ, P. R. M. (orgs.). Dicionários na teoria e na prática: como e para quem são feitos. São Paulo: Parábola, 2011.

Bibliografia suplementar

  • KRIEGER, Maria da Graça et al. O século XX, cenário dos dicionários fundadores da lexicografia brasileira: relações com a identidade do português do Brasil. Alfa 50 (2): 173-187, 2006.
  • NEVES, Maria Helena de Moura. A prática lexicográfica: onde ciência e arte se encontram. Alfa 40, 129-139, 1996.

 

Libras II (60 horas. Pré-requisitos: Libras I)

Ementa: Gramática da Libras. Alfabeto datilológico. Expressões não manuais. Uso do espaço. Classificadores. Vocabulário da Libras em contextos diversos. Mitos da Língua de Sinais, Ser Surdo, Identidades Surdas, Cultura Surda e Filosofias Educacionais de Surdos.

Bibliografia básica

  • FELIPE, T. A. Libras em contexto: curso básico. Brasília: MEC/SEESP, 2007.
  • GOLDFELD, M. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sociointeracionista. São Paulo: Plexus, 1997.
  • LABORIT, E. O voo da gaivota. Best Seller, 1994.
  • QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. B. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: ARTMED, 2004.
  • SACKS, O. Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. São Paulo: Cia. Das Letras, 1998.

Bibliografia complementar

  • CARMOZINE, M. M. Surdez e LIBRAS – conhecimento em suas mãos. São Paulo: Hub Editorial, 2012.
  • GARCIA, E. de C. O Que Todo Pedagogo Precisa Saber Sobre Libras: os principais aspectos e a importância da Língua Brasileira de Sinais. São Paulo: WAK, 2015.
  • GESSER, A. LIBRAS – Que língua é essa? São Paulo: Parábola Editorial, 2009.
  • LUZ, R. D. Cenas surdas: os surdos terão lugar no coração do mundo? São Paulo: Parábola Editorial, 2013.
  • PEREIRA, M. C. da C. LIBRAS – Conhecimento além dos sinais. São Paulo: Pearson Brasil, 2011.

 

Linguística Sistêmico-Funcional (60 horas. Pré-requisitos: não há)

Ementa: Estudos de Linguística Sistêmico-Funcional. Gramática Sistêmico-Funcional no nível e além do nível da oração; suas implicações e aplicações.

Bibliografia básica

  • FURTADO DA CUNHA, M. A.; SOUZA, M. M. Transitividade e seus contextos de uso. São Paulo: Cortez, 2011.
  • FUZER, C.; CABRAL, S. R. S. (Orgs.). Introdução à gramática sistêmico-funcional em língua portuguesa. Santa Maria: UFSM, 2010.
  • HALLIDAY, M. A. K., & MATTHIESSEN, C. M. I. M. An introduction to functional grammar. London: Edward Arnold, 2004.
  • SOUZA, M. M. de. Parece, deve, pode ser: analisando os auxiliares modais no gênero editorial. In: CARDOZO, A. de F.; RODRIGUES, L. de O.; SAMPAIO, M. L. P. (Orgs.). Linguagem, discurso e cultura: múltiplos objetos e abordagens. Mossoró: Queima-Bucha, 2008, p.99-111.
  • TENUTA, M. de (Orgs.). Incursões semióticas: teoria e prática de gramática sistêmico-funcional, multimodalidade, semiótica social e análise crítica do discurso. Rio de Janeiro: Livre Expressão, 2009.

Bibliografia complementar

  • BUTT, D.; FAHEY, R.; FEEZ, S.; SPINKS, S.; YALLOP, C. Using functional grammar: an explorer’s guide. 2nd. ed. Sydney: Macquarie University, 2001.
  • EGGINS, S. An introduction to Systemic Functional Linguistics. 2 ed.. London: Continuum, 2004.
  • JORGE, S ; HEBERLE, V. M. Uma análise crítica do discurso de um fôlder bancário. In: J. L Meurer & D. Motta-Roth, D. (Orgs.). Gêneros textuais e práticas discursivas: Subsídios para o ensino da linguagem, pp. 177-198. Bauru: EDUSC, 2002.
  • MARTIN, J. R.; MATTHIESSEN, C. M. I. M.; PAINTER, C. Working with Functional Grammar. London: Arnold, 1997.
  • RAVELLI, L. Getting started with functional analysis of texts. In L. Unsworth (Ed.), Researching language in schools and communities (pp. 27-64). London and Washington: Cassell, 2000.

Bibliografia suplementar

  • BARBARA, L.; MACÊDO, M. C. M. de. Processos verbais em artigos acadêmicos: padrões de realização da mensagem. In: BARBARA, L.; MOYANO, E. Textos y lenguaje académico: exploraciones sistémico-funcionales en portugés y español. Los Polvorines: Universidad Nacional de General Sarmiento; Pontificia Universidad Católica de são paulo, 2011, p. 221-240
  • GOUVEIA, C. A. M. Texto e Gramática: uma Introdução à Linguística Sistêmico-Funcional. In: Matraga, Rio de Janeiro, n. 24, p. 13-47, jan./jun. 2009.

 

Psicolinguística (60 horas. Pré-requisitos: Fonética e Fonologia da língua portuguesa, Morfologia da língua portuguesa, Sintaxe da língua portuguesa)

Ementa: Conceito, objeto, pressupostos filosóficos e teórico-metodológicos. Linguagem e cognição: modelos cognitivos, representação mental, relação entre pensamento e linguagem. Aquisição, desenvolvimento e processamento da linguagem. Processamento textual. Teoria dos Esquemas e metacognição.

Bibliografia básica

  • BALIEIRO JR., A. P. Psicolinguística. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (Org.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras. Vol 2.  São Paulo: Cortez, 2012.
  • GROLLA, E. FIGUEIREDO SILVA, M. C. Para Conhecer – Aquisição da Linguagem. São Paulo: Contexto, 2014.
  • MAIA, Marcus (org.) Psicolinguística, Psicolinguísticas: uma Introdução. São Paulo: Contexto, 2015.
  • MARTELOTTA, M. E (Org.). Manual de linguística. São Paulo: Contexto, 2008.
  • SCARPA, E. M. (2003) Aquisição de Linguagem. In: MUSSALIM, F. e BENTES, A. C. (orgs.). Introdução à Linguística: domínios e fronteiras.  Vol. 2, 3. ed. São Paulo: Cortez, 2012, p. 203-232.

Bibliografia complementar

  • FERREIRO, E.; TEBEROSKY, A. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artmed, 2007.
  • PINKER, S. Como a mente funciona. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.
  • TERZI, S. B. A construção da leitura. 4. ed. Campinas: Pontes, 2006.
  • TRAXLER, M.; GERNSBACHER, M. A. (Org.). Handbook of psycholinguistics. London: Academic Press, 2011.
  • VYGOTSKY, L. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

 

Tópicos em Pragmática (60 horas. Pré-requisitos: Sintaxe da língua portuguesa, e Semântica e Pragmática)

Ementa: Estudo das vertentes pragmáticas ligadas à Filosofia da Linguagem (Wittgenstein, Austin, Grice, etc.). A significação no âmbito da Pragmática. Dêixis. Atos de fala. A teoria das implicaturas de Grice. A visão neo-griceana da significação. A visão pós-griceana da significação (Teoria da Relevância). Pressuposição. As fronteiras entre significado semântico e significado pragmático.

Bibliografia básica

  • ARMENGAUD, F. Pragmática. São Paulo: Parábola, 2006.
  • LEVINSON, S. C. Pragmática. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
  • MARCONDES, Danilo. A Pragmática na filosofia contemporânea. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.
  • PINTO, J. P. Pragmática. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (Org.). Introdução à Linguística: domínios e fronteiras, Vol. 2. São Paulo: Cortez, 2001, p. 47-68.
  • PIRES DE OLIVEIRA, R. BASSO, R. Arquitetura da Conversação – Teoria das Implicaturas. São Paulo: Parábola, 2014.

 

Bibliografia complementar

  • CANÇADO, M. Manual de Semântica. São Paulo: Contexto, 2012.
  • ILARI, R. Introdução à semântica: brincando com a gramática. São Paulo: Contexto, 2001.
  • _____. Introdução ao Estudo do Léxico: brincando com as Palavras. São Paulo: Contexto: 2002.
  • POTTS, C. The logic of conventional implicatures. New York: Oxford University Press, 2005.
  • WARD. G., HORN, L. Handbook of Pragmatics. Oxford: Blackwell, 2006.

Bibliografia suplementar

 

Tópicos em Semântica Formal (60 horas. Pré-requisitos: Semântica e Pragmática)

Ementa: Estudo comparativo das perspectivas semânticas: formal, argumentativa e cognitiva; terminologia técnica da área da semântica formal; a relação da semântica com outras áreas de estudo, como a lógica, a sintaxe e a pragmática; tratamento de fenômenos tais como pressuposição, quantificação e eventos. Análise das perspectivas semânticas em materiais didáticos.

Bibliografia básica

  • BASSO, R. FERRAREZI JÚNIOR, C. Semântica, Semânticas: uma introdução. São Paulo: Contexto, 2013
  • HEIM, I.; KRATZER, A. Semantics in generative grammar. Oxford: Blackwell, 1998.
  • KEARNS, Kate. Semantics. Palgrave; MacMillan, 2009.
  • MORTARI, C. A. Introdução à lógica. São Paulo: UNESP, 2001
  • PIRES DE OLIVEIRA, Roberta. Semântica Formal: uma breve introdução. 2. ed. Campinas: Mercado de Letras, 2010.

Bibliografia complementar

  • GAMUT, L. T. F. Logic, Language, and Meaning: Intensional logic and logical grammar. Vol. 1. University of Chicago Press, 1991.
  • GAMUT, L. T. F. Logic, Language, and Meaning: Intensional logic and logical grammar. Vol. 2. University of Chicago Press, 1991.
  • LAPPIN, S.; FOX, C. (Ed.). The handbook of contemporary semantic theory. 2. ed. Oxford: John Wiley & Sons, 2015.
  • OLIVEIRA, R. P. Semântica. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (Org.). Introdução à Linguística: domínios e fronteiras, v. 2. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2006, p. 17-46.
  • WINTER, Y. Elements of formal semantics. 1. ed. Edinburgh University Press, 2015.

 

Tópicos em semiótica (60 horas. Pré-requisitos: não há)

Ementa: Aspectos da perspectiva peirciana. Fundamentos teóricos e metodológicos da Semiótica greimasiana. O percurso gerativo de sentido e sua aplicação à interpretação de textos: os níveis discursivo, narrativo e fundamental. A enunciação: efeitos da projeção das categorias de pessoa, espaço e tempo. As paixões.

Bibliografia básica

  • BARROS, Diana Luz Pessoa de. Teoria semiótica do texto. São Paulo: Ática, 1990.
  • FIORIN, José Luiz. Em busca do sentido – estudos discursivos. São Paulo: Contexto, 2008.
  • FIORIN, José Luiz. Elementos de análise do discurso. São Paulo: Contexto, 2005.
  • GREIMAS, Algirdas Julien; COURTES, Joseph. Dicionário de semiótica. São Paulo: Contexto, 2008.
  • PEIRCE. C. S. Semiótica. São Paulo: Perspectiva, 1999.

Bibliografia complementar

  • FIORIN, J. L. As astúcias da enunciação. As categorias de pessoa, espaço e tempo. São Paulo: Ática, 1996.
  • FONTANILLE, J. Semiótica do discurso. São Paulo: Contexto, 2007.
  • HÉNAULT, A. História concisa da semiótica. São Paulo: Parábola, 2014.
  • MERREL, F. A semiótica de Charles. S. Peirce hoje. Ijuí, RS: Unijui, 2012.
  • PIETROFORTE, Antonio Vicente. Semiótica visual – os percursos do olhar. São Paulo: Contexto, 2004.

 

Tópicos em Teoria Sintática (60 horas. Pré-requisitos: Teorias linguísticas 1 e Sintaxe da língua portuguesa)

Ementa: Investigar os processos de construção sintática das línguas naturais, com ênfase nas variedades do português e das línguas crioulas, a partir de modelos formais: a Teoria de Princípios e Parâmetros e o Programa Minimalista.

Bibliografia básica

  • CHOMSKY, N. Sobre natureza e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2006.
  • FERRARI-NETO, J.; SILVA, C.R.T. Programa minimalista em foco: princípios e debates. Curitiba: CRV, 2012.
  • KATO, M.; NASCIMENTO, M. do. (orgs). A construção da sentença. São Paulo: Contexto, 2015.
  • KENEDY, E. Curso básico de linguística gerativa. São Paulo: Contexto, 2013.
  • MIOTO, C.; SILVA, M.C.F.; LOPES, R. Novo manual de sintaxe. São Paulo: Contexto, 2013.

Bibliografia complementar

  • AZEREDO, J. C. Iniciação à sintaxe do Português. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.
  • BOECKX, C. Linguistic Minimalism – Origins, Concepts, Methods, and Aims. Oxford: Oxford University Press, 2007.
  • CASTILHO, A.T. et al. (orgs). Descrição, história e aquisição do português brasileiro – estudos dedicados a Mary Aizawa Kato. São Paulo: Fapesp, Campinas: Pontes Editores, 2007.
  • KENEDY, E.; OTHERO, G.A. (orgs). Sintaxes, sintaxes: uma introdução. São Paulo: Contexto, 2015.
  • RIBEIRO, I. Ensaios em sintaxe diacrônica do português. Salvador: EDUFBA, 2015.

Bibliografia suplementar

 

Teorias Linguísticas II (60 horas. Pré-requisitos: Introdução aos Estudos Linguísticos e Teorias Linguísticas I)

Ementa: Visão geral das teorias linguísticas atuais: funcionalismo e gerativismo. Ênfase em uma das seguintes teorias funcionalistas: gramática funcional-tipológica; gramática sistêmico-funcional; gramática funcional de Simon Dik; gramática funcional-discursiva de Kees Hengeveld. Noções gerais da Teoria de Princípios e Parâmetros de Noam Chomsky.

Bibliografia básica

  • GIVÓN, T. A compreensão da gramática. Natal: EDUFRN, 2011.
  • KENEDY, E. Curso básico de linguística gerativa. São Paulo: Contexto, 2013.
  • PERINI, M. Princípios de linguística descritiva: introdução ao pensamento gramatical. São Paulo: Parábola, 2006.
  • PEZATTI, E. G. Estrutura argumental e fluxo de informação. In: KOCH, I.G.V. (org.) Gramática do português falado. Vol. VI. Campinas: Editora da UNICAMP – FAPESP, 1996, p. 275-297.
  • SILVA, M. C. F. & COSTA, J. Os anos 1990 na gramática gerativa. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (Org.). Introdução à lingüística: fundamentos epistemológicos. São Paulo: Cortez, 2004, v. 3, p. 131-164.

Bibliografia complementar

  • CUNHA, M. A. F.; OLIVEIRA, M. R; MARTELLOTA, M. E. (orgs.). Linguística funcional: teoria e prática. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.
  • FERRARI, L. Introdução à Linguística Cognitiva. São Paulo: Contexto, 2011.
  • MARTELOTTA, M. E. (Org.). Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2008.
  • NEVES, M. H. M. Texto e gramática. São Paulo: Contexto, 2006.
  • SOUZA, E. R. de. Funcionalismo Linguístico, vol. 1 – Novas Tendências Teóricas. São Paulo: Contexto, 2012.

Unilab, Campus dos Malês, Coordenação do Curso de Letras
Av. Juvenal Eugênio Queiroz, s/n - Baixa Fria
CEP: 43900-000 - São Francisco do Conde, BA
E-mail: coordenacaoletrasmales@unilab.edu.br
Telefone: +55 (71) 3651 8253
Tema desenvolvido pela Seção de Portais e Aplicações Web (SPA) © 2021 - DTI / Unilab